O pessoal de The Rising of the Shield Hero

A popular série de romance isekai de Aneko Yusagi, A Ascensão do Herói do Escudo, foi publicada em inglês desde 2015, através da qual ganhou uma base de fãs fervorosa. A Crunchyroll apresentou o primeiro episódio da nova adaptação do anime na Crunchyroll Expo no ano passado, e lançou o episódio para seus assinantes uma semana antes da transmissão japonesa.

Para saber mais sobre a criação de The Rising ofthe Shield Hero, a ANN foi convidada para a Kinema Citrus, o estúdio que produz o anime. Conversamos com o diretor do anime (Takao Abo), o roteirista (Keigo Koyanagi) e o produtor (Junichiro Tamura) sobre o que exatamente torna a história e seu protagonista tão únicos, bem como as dificuldades de adaptar os romances ao anime.

ANN: Sr. Abo, você disse que O Levante do Herói do Escudo é sua primeira vez fazendo um anime isekai. Qual foi sua primeira impressão ao ler o trabalho original?

TAKAO ABO: Bem, é um isekai, então há magia e outras coisas. Eu me encontrei imerso na tarefa de como melhor adaptar o cenário e o papel do protagonista em um anime.

Sr. Tamura, esta também é sua primeira vez fazendo um trabalho isekai?

JUNICHIRO TAMURA: Eu lidei com muito trabalho isekai, mas Narou (“Shōsetsuka ni Narō”, o popular site de novela da web)… hmm… eu me pergunto se este é o primeiro romance de Narou em que eu trabalhei.

Você lê romances de Narou?

TAMURA: Sim, bem regularmente. Nossa empresa (KADOKAWA) libera muitos deles, afinal.

KEIGO KOYANAGI: Eu trabalhei em isekai funciona aqui e ali, mas esta é a minha primeira vez com um trabalho de Narou. É diferente de outros romances de Narou. O povo do isekai não desejava que o protagonista viesse ao seu mundo. Eles podem tê-lo convocado, mas disseram-lhe que ele não era necessário. Esse aspecto parecia fresco.

TAMURA: O fato de ele não começar muito forte comparado a heróis de outras histórias de Narou também é interessante.

Esta série é dito ser uma história mais escura do que o habitual isekai. Como você tenta transmitir as dificuldades de Naofumi?
Muito obrigado.

Graças a Kadokawa pela oportunidade.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: